Central Veredas

ARTESANATOS DE TRADIÇÃO

A Central Veredas, com sede localizada na cidade de Arinos, noroeste de Minas Gerais é composta por 8 núcleos produtivos distribuídos entre os municípios de Natalândia, Sagarana/Arinos, Bonfinópolis de Minas, Riachinho, Serra das Araras/Chapada Gaúcha, Urucuia, Uruana de Minas e Arinos, organizada numa Rede Solidária de produção, fruto do trabalho de aproximadamente 100 artesãs (os).  A mobilização realizada em 2002 através da Artesol nos municípios do Vale do Rio Urucuia revitalizou a fiação e a tecelagem do Noroeste de Minas que até então estava se perdendo no tempo.

A Central Veredas então surge em 2008 por meio de novos esforços de vários parceiros com o intuito de gerar autonomia para legitimar a rede como a revitalização cultural produtiva aliada à produção e geração de renda, fortalecimento dos núcleos garantido lhes acesso ao mercado, qualificação, aplicação de preços justo, divulgação dos produtos artesanais exercendo sua defesa socioeconômica e ambiental combatendo o trabalho escravo e promovendo a igualdade de gênero, otimizando, orientando e organizando toda a logística e comercialização dos produtos produzidos pelos núcleos em cada município que antes trabalhavam isoladamente.

Atualmente os núcleos produzem de acordo com sua essência, fruto de criatividade, inspiração e cultura do  Vale do Urucuia. Trata-se do artesanato tradicional, ou seja, técnicas adquiridas aos longos dos anos de pais para filhos com referencial de qualidade, experiência passada de geração por geração. Todos os produtos são produzidos de forma ecologicamente correta, explorando riquezas e recursos naturais e culturais da região do noroeste de Minas Gerais conhecida como Vale do Urucuia Grande Sertão Veredas. 

No "Vão" do Urucuia fios e fibras entrelaçam o fazer e o saber...

 Lá no Cerrado, elas começam assim que o Sol nasce. É bom para aproveitar o frescor da manhãzinha e o tempo, sabe?

Elas cardam algodão, aprontam a roda do fiar, vão pra’s veredas buscar fibras de buritis, colocam as linhas na agulha, preparam os fios no tear, buscam cores na natureza e as panelas começam a ferver logo cedo. Que cor sairá de lá? Elas trazem os saberes que vem de longe - das mães, avós e bisavós.

E é nesse sentir da passagem do tempo, que as mãos criam peças, lentamente, em cada ponto que tece, evocam memórias de muitas histórias. Fiandeiras, tecelãs, bordadeiras, tingideiras, artesãos .

As mulheres que trazem a força da criação!

Fiandeira Gercina - Sagarana/MG (in memoriam)
Fiandeira Gercina - Sagarana/MG (in memoriam)


Prêmios e Histórias

  • 1º Encontro Saber Fazer/Saber Contar ARTESOL - Unai/MG - 2009
  • Finalista Prêmio Planeta A CASA/SP - Categoria Produtos - 2006
  • 1º Prêmio Objeto Brasileiro - A CASA / SP - Vencedora Categoria Ação-Socioambiental -  2008
  • Exposição no "vão" do Urucuia: fios que entrelaçam saberes. IPHAN - Sala do Artista Popular /RJ - 2010
  • Certificação Tecnologia Social Tingimento Natural "Cores do Cerrado" Fundação Banco do Brasil - 2011
  • TOP 100 SEBRAE 3ª Edição - 2012
  • Papo Artesanal 7ª edição - Centro Ruth Cardoso/SP - 2013
  • Exposição Mulheres Artesãs Brasileira - ONU Nova York - 2013
  • Festival Mundial de Cultura Imaterial - Esfahan/Irã - 2014
  • Exposição Historias Bordadas UERJ Galeria Candido Portinari/RJ - 2014
  • Papo Artesanal 9º edição Centro Ruth Cardoso/SP - 2014
  • Prêmio Brasil Criativo- Vencedora Categoria Artesanato/SP - 2016
  • Participação São Paulo Fashion Week c/ estilista Flavia Aranha/SP - 2019
  • Exposição Mulheres que  Pintam e Bordam - UERJ Espaço Kodak/RJ - 2019