Notícias

1616440095.png

AÇÃO DE ENFRENTAMENTO AO COVID-19 PELA DOAÇÃO DE CESTAS BASICAS E

AQUISIÇÕES DE PRODUTOS DA AGRICULTURA FAMILIAR.

A Cooperativa COPABASE em parceria com a FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL, BB SEGUROS, BANCO DO BRASIL, COOPERFORTE e o BANCO BV, executou uma ação de enfrentamento com a Covid-19 como Projeto “Proteger e Salvar Vidas”. Foram mais de 1000 famílias atendidas com cerca de 2000 cestas básicas entregues aos municípios de Arinos, Riachinho, Urucuia e Uruana de Minas. Uma forma de apoiar famílias vulneráveis ​​e até mesmo agricultores familiares, que neste período de demanda pandêmica para alcançar a produção. Todas as cestas básicas são oriundas de produtos da agricultura familiar da região e do comércio local.

Saiba mais e como fazer: www.fbb.org.br 

image(1).png
image(2).png

Projeto Algodão Sustentável inicia atividades de capacitação

image(3).jpg

Em dezembro de 2019, os municípios de Arinos e Uruana de Minas (MG), ou ISPN, realizaram oficinas de capacitação e articulação com agricultores e agricultores familiares do Projeto Algodão Sustentável Não Fechado, iniciativa desenvolvida pela entidade com financiamento do Instituto C&A . O momento coletivo que orienta e estimula os beneficiários das primeiras etapas da produção de algodão, caracterizado como agroecológico. Formulários planejados onde, quando e como será produzido nas comunidades rurais, os processos de comercialização do algodão e as providências necessárias para que o Projeto se mantenha sustentável e alcance autonomia.

Ao todo, são cerca de 45 pessoas beneficiadas diretamente na região noroeste de Minas Gerais, nas cidades de Arinos, Riachinho, Uruana de Minas, Natalândia, Formoso, Bonfinópolis, Brasilândia de Minas, Santa Fé de Minas e Dom Bosco. Por ser uma produção de algodão agroecológico, também orientada para receber selo ou selo orgânico, os agricultores poderão comercializá-lo com pequenas e médias empresas de moda, ou que venham a contribuir para um consumo sustentável e consciente na sociedade, além de garantir mais geração de renda e promover a qualidade de vida das comunidades atendidas pela iniciativa.

O Projeto Algodão Sustentável faz parte do Programa Fechado e Caatinga do ISPN, e integra a estratégia de promoção de Países Ecossociativos Produtores (PPP-ECOS) da organização.

Leia mais em: ispn.org.br

Debate sobre uma cadeia produtiva do baru, seus desafios e oportunidades!

image(5).jpg

Os principais desafios para a produção do baru e os desafios enfrentados pelas comunidades extrativistas na comercialização ao norte do 1º Gabinete do Comércio Justo e Solidário da Cadeia do Baru, durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado 2019, que reúne mais de 500 representantes de comunidades tradicionais e comunidades do bioma, na FUNARTE, de 11 a 14 de setembro.

O objetivo de encontrar organizações organizadas pela Rede Fechada e chamar atenção para os enfrentamentos pelo Berço das Águas. Produtores, compradores, varejistas, trabalhadores da Cooperativa, chefs da cozinha e representantes de entidades que trabalham pela conservação do Cerrado proporcionam a oportunidade de, juntos, trocar conhecimentos e traçar caminhos para encontrar uma cadeia produtiva do bioma exclusivamente brasileiro e típico.  

Leia mais em:  redecerrado.org.br

Como melhorar uma cadeia produtiva do baru?

Foram dois temas da 1ª Oficina de Comércio Justo e Solidário da Cadeia do Baru, durante o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado 2019, que reúne mais de 500 representantes de comunidades tradicionais e comunidades do bioma, na FUNARTE , de 11 de setembro a 14.

A COPASE apresenta resultados expressivos com a produção de baru. Ao final de 2018, 10 toneladas foram beneficiadas pelo país e a expectativa de chegar a 15 toneladas em 2019. “O baru não é apenas um bem econômico que gera renda para famílias extrativistas, além de um produto que gera autonomia e dá autoestima a dois parentes extrativistas de fazendeiros. O objetivo da cooperativa é manter as famílias no campo, de forma sustentável, contribuindo com um ambiente melhor, ao mesmo tempo que facilita o crescimento das pessoas. Nesse caso, vamos destacar os princípios do comércio justo que devem ser praticados entre as indústrias de alimentos, agricultores e extrativistas ”, afirma Dionete Barbosa, coordenadora técnica do COPABASE.

Leia mais em: wwf.org.br

image(6).jpg

Slow Food e Copabase representam Fortaleza da Castanha do

Baru no Terra Madre 2018

image(7).jpg

Na maior parte das vezes o movimento Slow Food estará presente em todo o mundo, será realizado em Turim (Itália) no dia 20 de setembro de 2018. Dedicado à cultura alimentar, o Terra Madre reúne um grande mercado com expositores, vários eventos para descobrir a culinária riquezas do mundo e conferências para expandir suas visões sobre o mundo dois alimentos. A Cooperativa Copabase representada pela Gestora Dionete Figueiredo Barboza participa do evento e acampa a representação da “Fortaleza do Baru”, uma estratégia Slow Food que tem como principal objetivo preservar produtos tradicionais em risco de extinção.

Saiba mais em  www.slowfood.com

Fortalecimento da Produção Tradicional da Rede de Artesanato Urucuia

Grande Sertão - Veredas Centrais selecionadas!

image(8).png

Por iniciativa do DGM Brasil, divulgou o resultado final de sua segunda edição / 2018, que apóia iniciativas distribuídas em todo o Cerrado brasileiro e apoiadas por quatro eixos estratégicos: Práticas agroecológicas; Consolidação e diversificação de mercados e proteção cultural; Recuperação de recursos naturais degradados; Promoção da Gestão Territorial e Ambiental nos Territórios dos Povos Indígenas, Quilombolas e Comunidades Tradicionais.

O processo de seleção contém 106 manifestações de interesse registradas. Dessas, 67 impressos recebidos on-line (inscrições feitas no site) e 39 encaminhados por correio postal. Ao todo, foram pré-selecionadas 11 iniciativas indígenas, 4 quilombolas e 4 de comunidades tradicionais.

Saiba mais em www.dgmbrasil.org.br

Certificação

A Cooperativa A COPABASE já foi certificada pelo Credenciamento de Assistência Técnica e Extensão Rural - ATER, pela Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural - ANATER, nos termos da Lei 12.897 de dezembro de 2013 e do Decreto 8.282 de 26 de maio de 2014.

Saiba mais em www.anater.org

Dia Internacional do Cooperativismo

image(10).png

O cooperativismo é um preceito que indica a colaboração e associação de pessoas ou grupos com os mesmos interesses, e como o objetivo de adquirir vantagens comuns para tais atividades econômicas. Existem dois alicerces do cooperativismo ou progresso social através da cooperação e ajuda mútua para aqueles que se encontram na mesma situação alcançada, além de seus esforços, garantindo a sobrevivência. 

O movimento cooperativo visa promover o diálogo e o entendimento entre as pessoas e busca grandes ideias como a paz, a liberdade e, principalmente, a solidariedade, cujo foco está sempre nas diretrizes humanas. Transformar um comentário apropriado para traçar uma abordagem mais ampla a uma empresa ou governo e outras instituições.

Graças ao Dia Internacional do Cooperativismo, você é o responsável pelos políticos locais e internacionais, podemos nos tornar cooperativas que contribuem para a criação de uma sociedade mais sustentável e resiliente, e direcionam seus esforços para incluir as cooperativas nos processos políticos relacionados à sustentabilidade.

Fonte: Unicafes 

VOCÊ SABE OU QUE FAÇO ODS?

image(11).png

Em 2015, os países têm a oportunidade de se agregar a uma nova agenda de desenvolvimento sustentável e a um acordo global sobre mudanças climáticas. Assim, com base no ODM, iremos emergir os ODS para completar os esforços e resultados obtidos na agenda anterior. São 17 objetivos e 169 metas a serem alcançados até 2030. Seus temas estão divididos em quatro dimensões principais: social, ambiental, econômica e institucional. É um conceito que aborda uma proposta de desenvolvimento inovadora, considerando uma abordagem de construção para a participação coletiva no processo de organização, desenvolvimento e implementação. Baseia-se na disseminação de soluções para problemas relacionados às demandas de alimentos, educação, energia, habitação, renda, recursos hídricos, saúde, meio ambiente, entre outros.

Saiba    mais em www.estrategiaods.org.br  www.agenda2030.com.br

 COPABASE selecionada no Edital  Fundo de Parcerias para Ecossistemas

Críticos - CEPF Cerrado

CEPF é um programa global que provê fundos e assistência técnica a grupos da sociedade civil, tais como organizações não governamentais, grupos comunitários e atores do setor privado que implementam projetos de conservação neste hotspot ( Cerrado).

Práticas sustentáveis de produção como promotoras de conservação da biodiversidade no Sertão Urucuiano. PROPOSTA 100461

Objetivos específicos: Tecnologias e práticas sustentáveis sustentáveis de produção agroextrativistas, segurança alimentar e organização socioeconômica nas regiões de vales do Urucuia e Grande Sertão. Desenvolver ações de promoção, preservação e conservação da biodiversidade do cerrado Urucuiano por meio do envolvimento das famílias rurais, ADRS e rede de associações de empresas.

Conheça mais sobre no:  www.cepfcerrado.iieb.org.br

Cadernos sobre Extrativismo Sustentável

 

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) lançaram 21 cadernos técnicos sobre o cultivo orientado e sistematizado para algumas espécies nativas da flora brasileira, que são utilizadas como matéria-prima para produtos da sociobiodivesidade. Leia mais sobre esta iniciativa no site do Instituto Chico mendes de Conservação da Biodiversidade. 

O material está disponível em versão digital e pode ser acessado aqui!

ATER / ADRS PARA PROMOÇÃO DA AGROECOLOGIA E GERAÇÃO DE RENDA NO VALE RIO URUCUIA

Certificada 2017

image(13).jpg

Promover o fortalecimento da base produtiva da região do Vale do Rio Urucuia- COPABASE, a mobilização e organização social dos agricultores familiares, o aumento e diversificação da renda dos agricultores familiares com participação do jovem e da mulher,  disseminação de práticas agroecológicas, assistência técnica contínua como famílias de agricultores familiares, extrativistas, jovens, mulheres e artesãos, para organização de cadeias produtivas, geração de renda, inovação para produção e treinamento, apoio à gestão de excelência, orientação para manejo agroecológico, boas práticas de manipulação, controles diversas, noções sobre políticas públicas e acesso a mercados, desenvolvidas por equipe multidisciplinar contratada pela cooperativa e atuando de acordo com a metodologia participativa de construção de conhecimento através da sabedoria popular e conhecimento técnico científico.

 

Leia mais sobre a certificação no Bando de Tecnologias: transforma.fbb.org.br

Congresso Brasileiro de Agroecologia 

VI Congresso Latino-Americano de Agroecologia, X Congresso Brasileiro de Agroecologia e V Seminário de Agroecologia do Distrito Federal e Entorno. 

A Cooperativa COPABASE foi uma das instituições que foram beneficiadas com o primeiro edital do Ecoforte. “O Ecoforte para nós foi muito importante. Ele foi oportunizado durante dois anos (2015/2016) uma chance de uma equipe de trabalho de assistência técnica e extensão rural (Ater) e sistematizar muitas das metodologias e trabalhos que as pessoas já fizeram, como uma agroecologia que pode implantar em peso, graças à política ”, comentou o gerente da cooperativa, Dionete Figueiredo, de 33 anos. “A gente sempre trabalhou em questões ambientais, de diversificação de cadeias produtivas, por meio de um trabalho diversificado e pulverizado. Com o Ecoforte, podemos trazer uma temática da agroecologia em peso, que antes é tão praticada com o extrativismo de bauru e os frutos do cerrado. ”

Fonte: mda.gov.br

image(15).jpg

Nova unidade de processamento do baru  em Arinos (MG) ampliará a produção da Copabase

Inaugurada nessa quinta-feira, 18 de maio de 2017, a, nova agroindústria para processamento da castanha do baru. O projeto vai atender diretamente 50 extrativistas e agricultores familiares do município de Arinos (MG), com participação de jovens do meio rural, além de cem famílias indiretamente.

A partir da inauguração da unidade, a Copabase iniciará campanha de promoção da castanha no movimento Slow Food - que promove melhoria na qualidade da alimentação e uma produção que valorize o produto, o produtor e a preservação da biodiversidade. Trata-se do programa Fortaleza do Baru, que divulgará os benefícios nutricionais do baru e sua extração limpa e justa por agricultores familiares.

Leia mais em www.fbb.org.br

Central Veredas ganha 1º lugar na categoria Artesanato no Prêmio Brasil Criativo

image(16).jpg

O Prêmio Brasil Criativo foi criado para estimular a produção de soluções inovadoras para o desenvolvimento da economia criativa no país. Ao todo, foram 22 categorias premiadas, entre as quais, o Artesanato. Os vencedores de cada categoria participarão de uma rodada de negócios com fundos de investimentos, horas de mentoria e capacitação, apoio para criação de material de divulgação e estruturação para publicar uma campanha de financiamento coletivo.

Leia mais  www.premiobrasilcriativo.com.br

Produção agroecológica oferece alternativa de renda para famílias em Minas Gerais

O projeto desenvolvido na região Noroeste de Minas - nos municípios de Arinos, Chapada Gaúcha, Natalândia, Riachinho, Uruana de Minas e Urucuia - é realizado pela cooperativa Copabase. A entidade está entre as 28 redes habilitadas e atendidas pelo edital Ecoforte Redes, em todo o Brasil, programa que visa o fortalecimento da agricultura familiar com base na agroecologia, extrativismo e produção orgânica. A iniciativa é da Fundação Banco do Brasil, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e parceiros, com investimento social total de R$ 34,6 milhões. O objetivo do projeto da Copabase é estruturar 53 unidades de referência em pequenas propriedades rurais e assentamentos agrícolas que vão servir como modelo para disseminar a cultura da agricultura familiar orgânica e sustentável em uma região dominada pela monocultura da soja e do milho. A meta é atingir diretamente 1.750 produtores. 

Leia mais www.fbb.org.br

Barraginhas vão proteger o solo de agricultores familiares no Noroeste de Minas Gerais.

image(18).jpg

Projeto realizado pela Cooperativa de Agricultura Familiar Sustentável com Base na Economia Solidária (Copabase) prevê a construção de 300 barraginhas que beneficiarão 100 agricultores familiares. Barraginhas são pequenas bacias cavadas no solo que acumulam água da chuva e impedem enxurradas, erosões e proporcionam a reativação do lençol freático e das nascentes. O convênio, que conta com o apoio da Fundação BB e da Brasilcap no valor de R$ 199 mil, foi assinado em 2016 em Arinos (MG) em uma cerimônia que contou com a presença de integrantes da entidade e do Banco do Brasil na cidade.

Leia mais: www.fbb.org.br

Copabase e Central Veredas inspecionam relatório anual da Fundação Banco do Brasil 

Em 2016, a Fundação Banco do Brasil foi registrada como histórias deles e de outros grupos familiares que, organizados em “laboratório coletivo” e em “astúcia solidária”, por suas palavras cruciais, produzidas e comercializadas castanha de baru, farinha de mandioca, mel e outros produtos que seguem as tradições de cultivo da região. Foram eles que inspiraram a produção deste documento. Ele é um fio dessa meada que conta como foi nossa história no último ano.

Leia mais www.fbb.org.br

COPABASE selecionada no Edital Juventude Rural

O objetivo do edital é selecionar projetos que visam promover a inclusão social, a geração de renda e o protagonismo de jovens que vivem na zona rural. Ao todo, 59 projetos foram habilitados.

Realizado pela Fundação Banco do Brasil, em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES), uma seleção destinada a cooperativas ou estatísticas com mais de dois anos de existência, formadas por famílias e empreendedores familiares; silvicultores; extrativistas artesanais; aquicultores; pescadores artesanais; povos indígenas; e comunidades quilombolas localizadas no campo.

Leia mais em www.fbb.org.br

A Copabase recebe visitas de dois membros KVLV nos dias

 25 de outubro a 27 de novembro de 2015

A Unicafes Minas em parceria como TRIAS organizará ou trocará KVLV por um grupo de 6 belgas para visitar as regiões brasileiras onde a Unicafes está localizada.

Depois de conhecer o Rio de Janeiro, não no dia 25 de outubro, ao invés de conhecer na cidade de Arinos, noroeste de Minas Gerais, junto com cooperadores ou grupos, podemos aprender sobre as práticas da agricultura familiar, todos os dias através de visitas e entrevistas. Mais muita satisfação e orgulho da nossa região e do nosso trabalho!

Descubra ou TRIAS em   www.trias.ngo

Agricultura familiar participa pela primeira vez do Superminas

20 a 22 de outubro de 2015

image(22).jpg

Com o apoio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Agrário, as cooperativas da agricultura familiar estão exibindo uma grande variedade de itens da agricultura familiar que ainda carecem de lojas de supermercados e bairros no país. Uma Copabase com sede na região de Arinos, não na região noroeste do Mineiro, é formada por cerca de 170 agricultores familiares, uma cooperativa trouxe para a Superminas castanha de baru torrada, açafrão, mel, açúcar mascavo, polpa de frutas de cerrado ( mangaba, cagaita, araticum, coquinho azedo), todos com registro no Ministério da Agricultura e Pecuária.

 Fonte : www.agenciaminas.mg.gov.br

9º Encontro de Jornalistas Fundação Banco do Brasil 

30 ANOS -  13 de agosto de 2015

image(23).jpg

No dia 13 de agosto de 2015, evento na Fundação Banco do Brasil, em Brasília ou o 9º Encontro de Jornalistas, com o tema “Protagonismo social: comunicação para transformar realidades”, evento que reúne cerca de 80 jornalistas de todo o Brasil. Representando a Cooperativa COPABASE ao gerente Dionete Barboza, o Sr. José Milton, Diretor Financeiro e Maria Nadir presidente da Central Veredas de Artesanato, contará como iniciação ou processo de constituição da Cooperativa que você vê e referência em Rede na região do Vale do Urucuia, e como esse negócio Econômico vem passando a Solidário a vida deles e de outros dois cooperadores.

Cooperativa Copabase recebe Selo de Inspeção Federal - SIF para produção de mel de abelhas.

image(24).jpg

A Cooperativa de Agricultura Familiar Sustentável com Base na Economia Solidária (Copabase), localizada na cidade de Arinos (MG), conquistou o Selo de Inspeção Federal (SIF) para a sua produção de mel. O documento permite a comercialização do produto para redes de supermercados, farmácias, indústrias alimentícias, e atesta que o produto atende aos padrões de qualidade, normas e orientações de higiene e padronização. A entidade é o único empreendimento de agricultura familiar e economia solidária do norte e noroeste de Minas Gerais que obteve o SIF. De acordo com Dionete Figueiredo, gerente e consultora da Copabase, adquirir o SIF foi "uma das maiores conquistas", pois o produto ganha possibilidades de ser inserido no mercado regional, do Distrito Federal, e até internacional. “O Selo vai nos trazer possibilidades de mercado em alta escala, e também vai nos possibilitar ser um empreendimento autossustentável,” relatou.

Leia mais em: portaldoagronegocio.com.br

Fonte: Fundação BB

Talentos do Brasil Rural 13 de agosto de 2012

image(25).jpg

A Copabase juntamente com a Central Veredas receberam no dia 13 de agosto de 2012 a visita da articuladora do projeto Talentos do Brasil Rural a Sr. Mariah Vilar para dar início as ações do programa. Este projeto  apoia a estruturação de grupos produtivos de forma sustentável, organizar os produtos e serviços da agricultura familiar no mercado turístico brasileiro, agregando valores com foco no mercado de bares, hotéis e restaurantes das 12 cidades sede da Copa do Munda da FIFA de 2014.

Parceiros: MDA- SEBRAE- MTur- GTZ e MMA.

image(26).jpg

Produção Sustentável contra a miséria

Cooperativa COPABASE melhora condições de vida de pequenos agricultores do Vale do Urucuia (MG).

 Revista Mercado Edição 43 - julho 2011

Produtores rurais do Vale do Urucuia, Noroeste de Minas Gerais, estão mudando a realidade de uma das regiões com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do estado. Eles conseguiram aumentar a produtividade e a renda por meio da cooperação. Juntos eles também realizam projetos sociais e desenvolvem ações de preservação ambiental das veredas que serviram de inspiração para a obra de Guimarães Rosa. Tudo começou há sete anos, quando os produtores participaram do projeto de Desenvolvimento Territorial do Vale do Urucuia realizado pela Agência de Desenvolvimento do Vale do Rio Urucuia em parceria com a Fundação Banco do Brasil e o Sebrae-MG. À época, o Sebrae-MG ofereceu aos produtores capacitações gerenciais e estimulou a união dos agricultores. “Estimulamos o espírito de liderança e a busca por conhecimento, para que eles fossem capazes de encontrar soluções em conjunto”, afirma o analista do Sebrae-MG, Emerson Gonçalves. Quatro anos depois, os produtores sentiram a necessidade de serem mais independentes. O objetivo era criar canais de comercialização e aumentar a renda do grupo. A iniciativa resultou na formação da Cooperativa da Agricultura Familiar Sustentável com Base na Economia Solidária (Copabase), que continuou tendo o apoio financeiro da Fundação do Banco do Brasil e do Sebrae-MG em treinamentos e missões empresariais.

A Copabase atende 250 produtores rurais de oito municípios que atuam em atividades agrícolas e artesanato

Veja a reportagem na integra.  www.revistamercado.com.br

Copabase é privilegiada ao uso do Selo de Identificação da Participação da Agricultura Familiar nos seus produtos.

 

"Espécie: Permissão do Uso do Selo de Identificação da Participação da Agricultura Familiar - SIPAF; Beneficiária: Cooperativa Agrossilviextrativista em Base de Agricultura Familiar e Sustentável e Economia Solidária - COPABASE; inscrita no CNPJ nº 10.502.010/0001-89; Nº do Procedimento Administrativo:

55000.003388/2010-72; Fundamento legal: Portaria MDA nº 45 de 28 de julho de 2009, publicada no Diário Oficial da União em 29 de julho de 2009; Validade: 05 (cinco) anos, contados a partir da data de publicação do extrato desta decisão no Diário Oficial da União; Assina: Afonso Florense, Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário, Titular." O uso do Selo foi permitido para os seguintes produtos:

  • Açafrão;

  • Castanha de baru crua;

  • Castanha de baru torrada;

  • Farinha de mandioca;

  • Polpa de frutas (abacaxi, caju, laranja, manga, goiaba, araticum, araçá, mangaba, tamarindo, jenipapo, cagaita, coquinho azedo, jabuticaba, maracujá, acerola);

  • Pólen.